fulinaíma

terça-feira, 15 de agosto de 2017

projeto ocupação arte e cultura


Projeto OcupAção Arte e Cultura
Sinasefe Iff Fluminense
Varal de Poesia - Clube de Leitura


Você que é poeta ou amante da poesia está sendo convidado a participar do Projeto OcupAção Arte e Cultura, através do Varal de Poesia, e criação do Clube de Leitura dentro da programação do Sarau Baião de Dois, nos dias 30 de setembro e 25 de novembro.


Sendo poeta, selecione uma poesia de sua autoria, imprima em papel A/4 e envie para o endereço abaixo.


Projeto OcupAção Arte e Cultura -
Varal de Poesia
SINASEFE-Seção Sindical de Campos
Rua Álvaro Tâmega 132
28035-030
Campos dos Goytacazes - Centro
Rj


Se não é poeta, pode selecionar uma poesia de um poeta que admira, imprimir em papel A/4 e enviar para este mesmo endereço.


Ao final do Sarau sua poesia será lida, e presenteada para uma pessoa da platéia. Se é poeta, tem livro publicado e deseja ampliar o seu público leitor, remeta também o seu livro que ele será exposto durante o evento, e passará a fazer parte do acervo do Projeto.


Chamada Provisória
Clube da Audição - Lançamento Experimental
Panorama 77 no 132
1 de Setembro 19h -
Sinasefe Iff Fluminense
aos cuidados de Gustavo Landim Soffiati

obs: das 18 às 21h espaço também para ensaios voltados para produção de intervenções para o Projeto - Ocupação Arte e Cultura

Sinasefe - Rua Álvaro Tâmega, 132 - Campos dos Goytacazes-RJ

Artur Gomes
FULINAÍMA MultiPtojetos

portalfulinaima@gmail.com
(22)99815-1266 - Whatasapp



terça-feira, 1 de agosto de 2017

tempo tempo tempo


tempo tempo tempo

o tempo não tem pressa
são dois ponteiros de um relógio
que morde nervos e músculos
diante dos olhos Dela
:
Ela o tempo que não passa

obs.: na foto: Marcela Sanse - feliz por re-encontrá-la uns 10 anos depois que a conheci ainda criança em Bento Gonçalves-RS




quero voar
Ícaro sem planos de vôo
e nada de panos




seguindo os passos de Anchieta
:
Guarapari Antropofágica

come. come meus pés descalços
e os vestígios de Anchieta
por onde estiver ainda

come. come todos os passos
e vomita os restos na Ampulheta
porque o tempo tarda mas não finda

Artur Gomes
foto.poesia




terça-feira, 11 de julho de 2017

artefato



artefato (poema sujo)

numa cidade abstrata
sem sentido ou significado
matadouro é arte concreta
veracidade é pecado
pago com pena de morte

esta máquina de escrever
fotografada em Itaguara
como um poema de Lorca
escrito em Nova Granada
cravado em Araraquara

você não sabe onde está
você não sabe onde  é
você não sabe de quem foi
este punhal na metáfora
que sangra a carne do boi


Federico Baudelaire

quarta-feira, 29 de março de 2017

jura secreta 29



jura secreta 29

a luz branca de outono
deságua em mim
como mar de outrora
águas de outras eras
em ondas de sal
pra me benzer  aurora boreal
nos olhos de quem me vê

Artur Gomes




segunda-feira, 6 de março de 2017

jura mais que secreta



jura mais que secreta

tenho um segredo sagrado
bem mais que ouro guardado
jura bem mais que secreta
o poema em linha curva
sempre corta a linha reta
uma gisele em flor de lótus
que mesmo fosse abstrata
é coisa do amor que se concreta

na quarta ela estava na feira
em espelhos de artesanato
e a  minha língua solteira
cantava um vapor barato
lembrando da vez primeira
que  meu olho viu teu retrato

teu corpo não era papel
era de osso e carne era de carne e osso
e naquela hora do almoço
em meu corpo foi tanto alvoroço
que deixei a comida no prat0

Federico Baudelaire

http://federicobaudelaire.blogspot.com.br/2017/03/jura-mais-que-secreta.html

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

com os dentes cravados na memória


Overdose NU Vermelho


Em 1987 a noite de Campos estremeceu. O Bar Vermelho, de propriedade de Carlos Vasquez era o espaço cultural mais badalado na cidade. Frequentado por artistas de todos os gêneros, boêmios e universitários, encontramos ali espaço ideal para os nossos heppenings.


Overdose NU Vermelho foi uma noite que ficou cravada nos dentes da memória, além de muita poesia grafitada e ao vivo, a noite culminou com o ator João Villani, nu como veio ao mundo sendo pintado na calçada por Genilson Soares e Nilson Siqueira. E depois daquela noite Campos nunca mais foi a mesma


Overdose Nu Vermelho


retesar as cores e os músculos
com os dedos agarrados no pincel
se faltar carne pra roçar os óvulos
a gente jorra tinta no papel


Artur Gomes
FULINAÍMA MultiProjetos
www.goytacity.blogspot.com