segunda-feira, 20 de setembro de 2010

a flor da pele

a flor da pele


pontal.foto.grafia

Aqui,redes em pânico
pescam esqueletos no mar
esquadras – descobrimento
espinhas de peixe convento
cabrálias esperas relento
escamas secas no prato
e um cheiro podre no
AR

caranguejos explodem mangues em pólvora
Ovo de Colombo quebrado
areia branca inferno livre
Rimbaud - África virgem –
carne na cruz dos escombros
trapos balançam varais
telhados bóiam nas ondas
tijolos afundando náufragos
último suspiro da bomba
na boca incerta da barra
esgoto fétido do mundo
grafando lentes na marra
imagens daqui saqueadas
Jerusalém pagã visitada
Atafona.Pontal.Grussaí
as crianças são testemunhas:
Jesus Cristo não passou por aqui

Miles Davis fisgou na agulha
Oscar no foco de palha
cobra de vidro sangue na fagulha
carne de peixe maracangalha
que mar eu bebo na telha
que a minha língua não tralha?
penúltima dose de pólvora
palmeira subindo a maralha
punhal trincheira na trilha
cortando o pano a navalha
fatal daqui Pernambuco
Atafona.Pontal.Grussaí
as crianças são testemunhas:
Mallarmè passou por aqui

bebo teu fato em fogo
punhal na ova do bar
palhoças ao sol fevereiro
aluga-se teu brejo no mar
o preço nem Deus nem sabre
sementes de bagre no porto
a porca no sujo quintal
plástico de lixo nos mangues
que mar eu bebo afinal?

Artur Gomes
In carNAvalha Gumes
http://goytacity.blogspot.com/

Viagem interpoética


entredentes 3

olhei a cara do tempo
ela estava fechada não me dizia nada
pensei as sagaranagens
qaue o tempo fazia comigo

peguei do tempo o umbigo
cortei na ponta da faca
e a tua cara de vaca
sangrei sem nenhum remorso
porque isso o tempo não tem

agora o tempo sorri
me mostras os dentes da boca
e a tua cara de loca
é a minhafcara também

A lavra da palavra quero


a lavra da palavra quero
quando for pluma
mesmo sendo espora
felicidade uma plavra
onde a lavra mora

se é saudade dói mas não demora
e sendo fauna linda como a flora
lua luanda vem não vá embora

se for poema fogo do desejo
quando for beijo que seja como agora

Porrada llírica


bolero blue

beber desse conhac
em tua boca
para matar a febre entre os dentes
indecente é a forma que te bebo
como ou calo
e se não falo quando quero
na balada ou no bolero
não é por falta de desejo
é que a fome desse beijo
furta qualquer outra palavra presa
como caça indefesa
dentro da carne quando sai

Nenhum comentário:

Postar um comentário