quinta-feira, 16 de setembro de 2010

O Brasil não é Honduras

leia no blog http://goytacity.blogspot.com/

Vitor Biglione: suíte para Jimmi Hendrix
Leia no blog: http://mania-de-saude.blogspot.com/

a chama da vela acesa
teu corpo me arde
em chamas

jura secreta 116
para carolina zimerman

nossas palavras escorrem
pelo escorrer dos anos
estradas virtuais
fossem algaravias
nosso desejo que não se concreta

e
eu tenho a fome entre os dedos
a sede entre os dentes
e a língua sobre a escrita
que ainda não fizemos

e o que brota desse amor latente
se o desejo
é tua bocano lençol dos dias?

arturgomes
http://musadaminhacannon.blogspot.com/



Fulinaimagem

1

por enquanto
vou te amar assim em segredo
como se o sagrado fosse
o maior dos pecados originais
e a minha língua fosse
só furor dos canibais

e essa lua mansa fosse faca
a afiar os versos que inda não fiz
e as brigas dde amor que nunca quis
mesmo quando o projeto
aponta outra direção embaixo do nariz
e é mais concreto que a argamassa do abstrato

por enquanto
vou te amar assim adirando o teu retrato
pensando a minha idade
e o que trago da cidade
embaixo as solas dos sapatos

2

o que trago embaixo as solas dos sapatos
é fato. bagana acesa sobra do cigarro
é sarro. dentro do carro
ainda ouço Jimmi Hendrix quando quero
dancei bolero sampleando rock and roll

pra colher lírios
há que se por o pé na lama
a seda pura foto-síntese do papel
tem flor de lótus
nos bordéis Copacabana
procuro um mix da guitarra de Santanna
com os espinhos da Rosa de Noel.

arturgomes
http://artur-gomes.blogspot.com/



SampleAndo

o poema pode ser um beijo em tua boca
carne de maçã em maio
um tiro oculto sobo céu aberto
estrelas de neon em vênus
refletindo pregos no meu peito em cruz

na paulista consolação na água branca barra funda
metal de prata desta lua que me inunda
num beijomsujo como a estação da luz

nos vídeos/filmes de TV
eu quero um clipe nos teus seios quntes
uma cilada em tuas coxas japa
como uma flecha em tuas costas índia
eu quero a rota teu país ou mapa

teu território devastar inteiro
como uma vela ao mar de fevereiro
molhar teu cio e me esquecer na lapa

Olá Artur
Palavras curtas e objetivas se destrincham neste vídeo da jura 116! Sempre muito interessante a forma meticulosa que você lida com as palavras. Talvez existam duas escolhas para quem escreve:

Deixar que as letras passem em vão e embaçadas misturando-se sem nexo algum diante de olhares estáticos sem atingir o magnetismo da alma artística ou ressoar as retinas alavancando os cinco sentidos de quem liberta sem receios novas chamas acesas em formas de palavras por aí.

Acredito que sua misão é alavancar os sentidos!!!

Por isso desejo que você passe muita fome entre os dedos e um pouco de sede se for preciso!rsrsrsrsrUma linda semana para ti

Abraço - Alcinéia - Corumbataí-SP



Boca do Inferno

por mais que te amar seja uma zorra
eu te confesso amor pagão
não tem de ter perdão pra nós
eu qauero mais é teu pudor de dama
despetalando em meus lençóis

e se tiver que me matar que seja
e se eu tiver que te matar que morra

em cada beijo que te der amando
só vale o gozo quando for eterno
infernizando os céus
e santificando a boca do inferno

arturgomes
http://carnavalhagumes.blogspot.com/


Olá Artur, poeta adoidado que destrambelha as palavras entre os dias corridos de surpresas e incertezas da multidão! Você sabe que aprecio seus vídeos e de março para cá, depois de provar o sabor de suas poesias, meu gosto ficou bem mais exigente e perceptivo, mesmo porque para mim de nada vale uma Arte simplesmente decorativa ou que grite, rasgue os verbos soltando no ar apenas o que a sociedade quer ouvir, de nada valeria, continuaria muda por aí.

A Arte está no caminho que você segue, tocando as feridas, abrindo novos olhares para a realidade que se dissolve entre elementos simples escondidos dentro de nós mesmos, mas que muitas vezes ficam sufocados nas sombras que nos cercam. A Arte falada, de trabalhar as palavras entre os beiços molhados, sempre estará no limite do êxtase pois ela se abriga na ponta da arma mais perigosa dos homens que é a própria língua,risos..., que pode atirar sonoridade no ar libertando toda expressão e pensamento dos corpos vivos que não suportariam vegetar pelos cantos calados.

Adorei e adorei esta mistura sonora e platônica das palavras do vídeo que se misturam de forma irônica fazendo cócegas nos ouvidos dos que a ouvem e nas mãos de quem as escrevem para se soltarem livres gargalhando por entre estes grandes espaços sedentos de alguns goles de expressão. Um lindo final de semana! E desculpa mais uma vez por eu escrever demais risos... nem coube aí em baixo, é que penso para me deparar com os dedos de frente em um teclado de computador, eles parecem uma metralhadora ,risos....vê se pode?

Alcinéia – Corumbataí-SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário