sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Jura secreta 118

essa estrada que vai dar no mar dos teus mistérios ou essa estrada que vai dar no mar dos teus silêncios ou apenas o caminho para o mar na coluna vertebraldos teus suplícios ou o poema puro ofício de te oferecer amor, meu vício e te querer estrada. sim.

eupoderia abrir teu corpo com os meus dentes rasgar panos e sedas da tua cama arrancar os cobertores desatar todos os nós com as unhas arranhar os teus pudores rasgando as rendas dos lençóis

perpetuar a ferro e fogo minhas marcas no teu útero meus desejos imorais mal/dizendo a hora soberana com a força sobre/humana dos mortais quando vens me oferecer migalha e fruto como quem dá de comer aos animais

arturgomes http://carnavalhagumes.blogspot.com/

O mundo que venci deu-me um amor

Se for poema fogo do desejo

A lavra da palavra quero
quando for pluma
mesmo sendo espora
felicidade uma palavra
onde a lavra explora
se é saudade dói mas não demora
e sendo fauna linda como a flora
lua Luanda vem não vá embora
se for poema fogo do desejo
quando for beijo que seja como agora

arturgomes
http://pelegrafia.blogspot.com/

Goytacá Boy

Goytacá Boy

ando por são Paulo meio Araraquara a pele índia do meu corpo concha de sangue em tua veia sangrada ao sol na carne clara juntei meu goytacá teu guarani tupy or not tupy não foi a língua que ouviem tua boca cayçara

para falar para lamber para lembrar da sua língua arco íris litoral como colar de uiara é que eu choco como a chuva curuminha mineral da mais profunda lágrima que mãe chorara

para roçar para provar para tocar na sua pele urucun de carne e osso a minha língua tara sonha cumer do teu almoço e ainda como um doido curuminha a lamber o chão que restou da Guanabara

ReVirando a Tropicália

Nenhum comentário:

Postar um comentário