fulinaíma

terça-feira, 1 de março de 2011

.A teoria da luva de pelica



por Eduardo Guimarães no BlogdaCidadania



Que tal tentarmos entender direito a teoria da luva de pelica, segundo a qual a presidenta Dilma estaria esbofeteando o PIG ao comparecer aos seus salões e programas de televisão? Afinal, se tantos entenderam – ainda que outros tantos não tenham entendido –, quem pode garantir que não estejam certos, certo?

A teoria da luva de pelica, portanto, se levada a sério obriga a pensar, sob seu prisma, nos próximos capítulos dessa novela político-institucional em que está se convertendo a relação entre a Presidência da República e seus algozes durante os últimos oito anos. Quais serão, pois, os próximos capítulos?

Antes de especular sobre o que deverá acontecer após as seguidas “bofetadas” enluvadas que Dilma vai dando nas famílias midiáticas, analisemos a matéria que compõe a peça de vestuário, a pelica. Vem do couro de cabra. É leve, de toque macio, com alto brilho e mais confortável do que o couro convencional.

Ao ser atingido por uma luva de pelica, o alvo da bofetada sente menos dor física – ou nenhuma dor –, a menos que quem desfira o golpe coloque algum objeto pesado e contundente dentro dela. Todavia, o objetivo de esbofetear com pelica não é o de ferir fisicamente, mas o de insultar elegantemente.

Ainda não dá para entender como o PIG, após todos esses anos de artilharia pesada não só contra o ex-presidente Lula, mas contra seu braço direito, a hoje presidenta Dilma, tornou-se tão ingênuo ao ponto de oferecer os meios de ser esbofeteado, convidando a presidenta para festanças e programas de futilidades.

Quem poderia supor que essas famílias midiáticas que estão no poder desde que Cabral por aqui aportou seriam tão ingênuas, mas um leitor me disse que ao ir à festa da Folha ou ao programa da cansada Ana Maria Braga Dilma “constrangeu” as empresas e seus donos e eles nem perceberam (?!).

É difícil entender como alguém fica constrangido sem perceber…

Outros já dizem que o PIG ficou constrangido porque percebeu a bofetada. E não só o PIG. Os tucanos também teriam ficado absolutamente constrangidos por terem tido que “beijar a mão” de Dilma na festa da Folha, por mais que as imagens dela e de FHC trocando sorrisos e amabilidades no evento desdigam a teoria.

Se você pergunta por que, então, a Folha e os tucanos não foram ao ataque nos dias seguintes após terem se sentido esbofeteados pela luva de pelica da senhora presidenta, a explicação é a de que “não quiseram passar recibo”.

E para sonegar recibo, o mais graúdo dos esbofeteados foi ao impensável. Abaixo, notamos a que ponto chegou o ex-presidente FHC para não acusar a agressão elegante que sofreu ao ser “obrigado” a “beijar a mão” da adversária política.


Fernando Henrique evita criticas a Dilma Rousseff

Adriana Vasconcelos, O Globo

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso revelou nesta segunda-feira sua divergência em relação às críticas feitas na semana passada pelo ex-governador paulista e candidato derrotado do PSDB à Presidência, José Serra, ao governo da petista Dilma Rousseff. Em entrevista ao GLOBO, Serra chegou a declarar que a presidente marchava para um “estelionato eleitoral”.

- As eleições já passaram – disparou o ex-presidente, quando indagado se concordava com a avaliação feita por Serra, evitando fazer uma avaliação do desempenho da presidente petista em seus dois primeiros meses de governo.

Fernando Henrique foi comedido e não quis criticar, inclusive, o corte orçamentário detalhado nesta segunda-feira pela equipe econômica que deverá reduzir, entre outras coisas, cerca de 40% dos recursos do programa Minha Casa, Minha Vida. Embora admita que esse ajuste fiscal promovido agora possa ser resultado de excessos cometidos no ano passado pelo governo Lula, o ex-presidente preferiu não polemizar.

- Você quer que eu diga o que? Se não tivesse havido um gasto a mais do que era conveniente, não seria necessário o corte. Qual a extensão? Não sei. Não estou criticando ninguém. Governar é assim mesmo, tem que fazer corte em certos momentos, é difícil. Tem de explicar para a população o porquê. Nem sempre vão entender. É da vida política, é normal – observou.

(…)

Isso é que é vontade de não passar recibo. Não me lembro de declaração parecida de FHC sobre adversários políticos.

Mas, enfim, quem detém memória sobre o Partido da Imprensa Golpista e a oposição tucana sua sócia, em suas iras infinitas contra Lula, ou o comportamento beligerante da direita midiática com inimigos ao longo da história deste país, sabe que, se bofetada houve, vingança haverá.

O que se espera para os próximos capítulos dessa tragédia grega que vai sendo escrita, portanto, é que, após um período para que a tão propalada amnésia brasileira permita a reação sem recibo, a virulência tucano-midiática retorne com fúria redobrada – ou triplicada, quadruplicada, quintuplicada.

Antecipando as teorias que surgirão sobre porque não haverá a fúria tucano-midiática contra o governo supostamente popular de Dilma Rousseff, abordo outra teoria subjacente à da luva de pelica, de que o PIG entregou os pontos no melhor estilo “se não pode vencê-los, junte-se a eles”.

Depois de levar Getúlio Vargas a sair da vida para entrar na história ou de estuprar o voto dos brasileiros usurpando o poder e depondo Jango Goulart, jogando o Brasil em uma ditadura de duas décadas cujo principal efeito foi torná-lo (ainda) mais injusto, a mídia, como disse um leitor, teria se regenerado. Vale a pena reproduzir a teoria.

“Viciados em drogas e criminosos têm direito de se recuperar. Não foi isso que Lula pregou no seu governo, nem Dilma está pregando. Sabemos do mal que a mídia fez a este país, mas não lhe dar o direito de mudança é difícil de aceitar”.

É de fato errado não ter fé na recuperação do homem. Este blog acredita que não existe ninguém totalmente mau e que todos, em algum momento de suas vidas, têm condições de se regenerar. Alvíssaras, pois: a direita midiática, pelo visto, decidiu aceitar a distribuição de renda, leis para regular a mídia, enfim, tudo o que jamais aceitou.

O que estamos fazendo aqui, então, em vez de estarmos comemorando a conversão do Brasil em um verdadeiro paraíso, em uma terra prometida em que leite e mel correrão em cascata? Após este texto, vamos correndo comprar fogos de artifício. Quando a teoria da luva de pelica se confirmar, ficarão muito caros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário